Abrace o sofrimento

O objetivo desse blog é ajudar as pessoas a saírem do consumismo e, assim, serem mais felizes. Realmente acreditamos que a mentalidade consumista com a qual crescemos nos traz infelicidade e que a mudança desses padrões nos ajuda a viver melhor. Entretanto, mesmo quando conseguimos fugir do consumismo, quando sabemos o que queremos e não desejamos o que nos falta, o sofrimento persiste e a felicidade plena nunca é alcançada.

É nesse ponto da vida, quando já pensamos por nós mesmos e não nos deixamos influenciar pelo que os outros esperam, que a angústia bate, pois percebemos que a felicidade plena e a dissipação total do sofrimento nunca ocorrem. Por isso, hoje falaremos sobre a existência do sofrimento e como lidar com ele.

Nunca seremos plenamente felizes?

adorable beautiful child children
Foto por Matheus Bertelli em Pexels.com

No Consumo de Valor sempre nos referimos a “encontrar a felicidade”, mas sempre deixamos bem claro que é preciso curtir o caminho até ela. Isso não significa, entretanto, que haja apenas uma estrada que trilhamos na vida e que, ao final dela, o que encontraremos é a felicidade eterna, o “felizes para sempre”. Essa é uma visão infantil da vida, que gera cada vez mais frustração e infelicidade.

O caminho sobre o qual nos referimos é aquele trilhado para alcançar qualquer objetivo que tenhamos em mente. Cada meta é um novo caminho e, portanto, proporciona felicidade quando atingida. Dessa forma, percebemos que a felicidade que existe no final do caminho não é perfeita e eterna, mas efêmera.

O sofrimento sempre estará presente em nossas vidas, sendo inclusive necessário para que possamos reconhecer a alegria. Como saberíamos o que é felicidade se vivêssemos permanentemente nesse estado? É contraditório e infrutífero esperarmos que o sofrimento cesse e que só reste alegria e felicidade permanentes. Felicidade é o que existe entre um sofrimento e outro.

É possível evitar a dor?

bare feet boy child couch
Foto por Pixabay em Pexels.com

Uma vez entendido que o sofrimento faz parte de nossas vidas, é possível que alguém pense não em extingui-lo, mas em evitá-lo. Essa é uma possibilidade, mas não acreditamos ser a melhor para uma vida equilibrada e (por que não?) feliz.

Todo mundo que, quando criança, cedeu a um medo e começou a correr, mesmo sabendo que ele não era real, percebeu que, quanto mais corremos, mais sentimos medo de sermos alcançados. A tentativa de se evitar sofrimentos gera por si só mais dor, pois vem acompanhada do medo. Se já é difícil lidar com os problemas que a vida nos apresenta, para que acrescentar medo (ou seja, sofrimento) além deles?

Ademais, a cada situação inconveniente que aparece, mais energia é demandada para alimentar a ilusão de que é possível evitá-las. Assim chegamos à conclusão de que, ao tentamos fugir do sofrimento, alcançamos apenas: a tristeza naturalmente causada pelo problema que surgiu, mais medo (que também podemos chamar de ansiedade) e perda de energia para nos convencermos novamente de que é possível evitar outro problema. Obviamente essa é uma má ideia.

Como lidar com os problemas?

woman wearing grey long sleeved top photography
Foto por Artem Bali em Pexels.com

Então qual será a forma mais eficaz para sofrermos menos? Simples: aceitando que o sofrimento faz parte da vida. Quando percebemos cada situação difícil como algo natural e muitas vezes importante (pois a partir dela podemos aprender e nos tornarmos pessoas melhores), sofremos muito menos. É claro que os problemas continuarão sendo problemas, mas não nos farão sofrer mais do que o necessário.

Além disso, quando encontramos um sentido para a vida que vai além do mundo material e que é maior que a nossa própria existência, fica mais fácil lidar com a tristeza, pois dá sentido a ela. Conseguimos ver nossos problemas como pequenos frente à grandiosidade da vida e somos capazes de usá-los para nos transformar em prol do que acreditamos.

Dessa forma o sofrimento é percebido como natural, evitando a ansiedade, e cada vez que aparece, nos torna mais fortes e confiantes para lidar com essa realidade. Nos sentimos fazendo parte da vida, e não correndo dela.

Abracemos o sofrimento

man standing on brown rock cliff in front of waterfalls photography
Foto por Oliver Sjöström em Pexels.com

Ninguém gosta de sofrer. Apesar disso, o sofrimento faz parte de nossas vidas e, por isso, devemos aceitá-lo. Mas aceitar não é suficiente: é preciso que abracemos as situações difíceis em nossas vidas como desafios e oportunidades de crescimento. Se não existisse o sofrimento, viveríamos e morreríamos sem avançar, acomodados numa satisfação eterna que não traria nada de novo.

Só cresce quem sofre e é assim que nos tornamos pessoas melhores. O sofrimento por si só não traz crescimento nenhum, mas se soubermos aceitá-lo, seremos capazes de utilizá-lo a nosso favor e de toda a humanidade, avançando cada dia mais com o impulso dos desafios e nos sentindo felizes por termos a oportunidade de passar por eles. O sofrimento é uma parte importante da vida e deve ser vivido e aproveitado por quem deseja crescer, se aprimorar e fazer do mundo um lugar melhor.

3 comentários sobre “Abrace o sofrimento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s